A Comarca da Sertã nº381 04-03-1944

 

A COMARCA DA SERTÃ

ANO VIII    N.º 38                     04 Março 1944

 

FUNDADORES

— Dr. José Carlos Ehrhardt –  Dr. Ângelo Henriques Vidigal – Antônio Barata e Silva – Dr. José Barata Corrêa e Silva – Eduardo Barata da Silva Corrêa

DIRECTOR, EDITOR E PROPRIETÁRIO
Eduardo Barata da Silva Correia

REDAÇÂO E ADMINISTRAÇÃO “RUA SERPA: PINTO – SERTÃ E PUBLICA-SE AOS SABADOS

| Composto e impresso nas Oficinas Gráficas da Ribeira de Pera, Limitada :  Castanheira Pera Telefo e 16

 

hebdomadário regionalista independente, defensor dos Interesses da comarca da Sertã : concelhos de Sertã, Oleiros, Proença-a-Nova & Vila de Rei; e freguesias de Amêndoa e Cardigos (do concelho de Mação) —

 

 

Notas…

SILVANDO, exausto porque a lenha dava poucas calorias, o comboio entrou na gare. Soares apalavrara cocheiro, mais fôra a pé do escritório à estação: quatro quilômetros não eram nada para quem tinha as suas pernas rijas, apesar do cinquenta e picos que lhe cavalgavam aos ombros, e fazia as caminhadas que êle fazia apenas por higiene, como Soares afirmava; por economia, como êle não queria confessar…

Era doutro tempo, êste Soares; ajudante do escrivão Tribunal da Comarca, donde o juiz Azambuja o arrancara em 1904

—fazia agora justamente dezasseis anos! _para procurador da Ribeiras; não tinha filhos, nem  outro vicio além do seu charuto de pataco, fumado diariamente em duas metades, a primeira depois do almoço, a segunda depois do jantar; em vez de filhos, tinha «papéis»: e tanto lhe queria

—aos «papelinhos», seus e da Ribeira—que só pensara em multiplicá-los, multiplicando lhes os rendimentos. Via correr à sua volta, dinheiro em abundância, ganho sem esforço durante o dia à porta do café, gasto à noite, mais facilmente ainda, no jogo e nas orgias com cocottes de Lisboa e coristas do «Chalet-Cine Lusitano»; mas, longe de se deixar contagiar pelos vícios alheios, Soares condenava francamente tal modo de viver. Se poupava no que era seu, mais ainda devia poupar no alheio que lhe estava confiado; e por isso fez a pé o caminho do escritório à estação. Ninguém certamente lhe levaria a mal, na Ribeira, se incluísse o preço da corrida nas despesas de administração; mas Soares considerava deselegante pagarem outros o que seria gasto apenas para comodidade própria….

 Augusto Costa, («O Solar desabitado»).

**********

      AO escrevermos a «nota» sóbre o Carnaval na Sertã, publicada no número anterior, dizendo ter passado despercebido, ainda aquêle não tinha passado e porque se dava como irrealizável qualquer baile no Grémio Sertaginense, que, depois, na 3.ª feira, se veio a efectuar por iniciativa dum grupo de sócios. Esse baile decorreu bastante animado, dançando se até às 4 horas.

     Ângelo Mendes em piano e «acordeon», Eliseu, em «acordeon», Rodrigo em viola e Manuel António, em banjo fizeram se ouvir cem muito agrado; também algumas senhoras tocaram, ao piano, diversas musicas de dança.

     Na sede da Filarmónica União Sertaginense também se bailou até tarde.

***********

     O ENTRUDO, na Sertã, afinal, não passou inteiramente despercebido… para muitos, que agarraram uma opa de se lhe tirar o chapéu!

 

A actividade da Câmara Municipal da Sertã em 1943

(CONCLUSÃO)

     OS Números que acabais de ouvir ler falam mais alto que os mais clamorosos discursos e deixam inteiramente a descoberto o círculo apertado em que se movimenta tôda a actuação da Câmara. Para completar o quadro só resta frizar que a Corporação Mercantil Portuguesa (Lusalite) forneceu já, no passado ano, quási tôda a tubagem e acessórios para a rêde de abastecimento de águas, ficando a dever-se, por falta de dinheiro no Cofre Municipal, no fim de Dezembro, a quantia de 124.646$99, e ao empreiteiro que tomou conta da construção da Casa dos Magistrados está a dever-se uma importância muito aproximada a 100 contos.

     Em face de tais dificuldades de natureza financeira com que luta o Município, é muito provável que tenham de ser postas de banda, por agora, as obras de calcetamento, cujos trabalhos se encontram suspensos desde Outubro.

Eu bem sei que a execução de obras de vulto como a de águas e Casa dos Magistrados—(«ciclópicas» lhes chamam os que com elas não concordam)–é de natureza a perturbar o equilíbrio orçamental em época da crise como a actual.

Tôda a gente pode discordar da sua realização, mas à Câmara que as concebeu também não pode negar-se o direito de as levar a cabo quando já vão em mais de meio, tanto mais que num futuro não muito afastado ambas essas obras constituirão boas fontes de receita anual para o Município.

Fôram, como já disse, as consequências derivadas da guerra, com o inevitável agravamento  de preços, que vieram dificultar a sua realização, por lhes faltar a contra partida do aumento de receitas camarárias, contràriamente ao que sucede com o Estado que aos lucros de guerra e 100 por cento do papel selado foi buscar razoáveis receitas para ocorrer ao aumento das suas despesas.

E ocasião de frizar que as condições de vida continuam a agravar- se dia a dia, e é natural que não tenham ainda atingido o seu ponto crucial. Tudo leva pois a admitir que êste ilustre Conselho, para levantar um pouco a situação financeira do Município, tinha de rever, ainda êste ano, as várias taxas municipais, por muito que tal medida seja do desagrado dos actuais gerentes municipais.

Talvez, agora, as pessoas que estão de boa fé e só essas nos interessam, já possam compreender as razões por que não veem satisfeitas de pronto tôdas as suas pretensões, sempre que é forçoso recorrer ao orçamento municipal.

Em verdade, de várias partes chegam à Câmara contínuas reclamações, e eu sou o primeiro a confessar que todos ou quási todos pedem coisas úteis e necessárias e de interêsse público.

Aqui, um caminho, ali, uma estrada, além,

(Continua na 4ª pagina)

Um oficial alemão de alta patente (á esquerda) contempla um artista que continua a sua profissão num campo de prisioneiros de guerra nos Estados Unidos.

 

… a lápis

Baco soube ser compincha, associando se à estúrdia!

 **********

     ESTAMOS escrevendo a 26.
Apesar de tódas as conjecturas em contrário, o tempo sofreu uma alteração para pior: há agora muito mais frio cortante e enregelador, provocado por nortadas glaciais. Regista-se a temperatura desde há bastantes dias como a mais baixa nos últimos anos.

     A agricultura está sofrendo os efeitos do tempo: as hortaliças e os pastos para os animais vão-se queimando sob a acção violenta das geadas e a falta de chuvas está comprometendo sériamente as sementes e plantas lançadas á terra e as plantações e culturas futuras.

     Uma vez por outra o Sol esconde-se por entre nuvens negras, que parecem presagiar chuva imediata e abundante, mas, depois, o vento impele-se para longe e desvanece-se a esperança duma modificação propicia e inteiramente favorável à lavoura.

     Em todo o caso, como é preciso não desperdiçar energias e esta situação não se pode eternizar, o lavrador vai preparando as terras para as grandes sementeiras de milho e plantação de batata de regadio.

     A estiagem tem sido tão prolongada que os cursos de água da região oferecem aspecto semelhante ao das épocas de adiantado estio.

***********

CHURCHILL —o Primeiro ministro britânico—discursou a semana passada, fazendo a análise serena e rigorosa dos principais acontecimentos originados pela guerra, salientando, sobretudo, o esforço da Nação Britânica como importantissimo no desenvolvimento das campanhas ou frentes em que directamente intervém, a ofensiva aérea intensa e bem coordenada entre ingleses e americanos como prologo indispensável e necessário à abertura da segunda frente, que Churchill anunciou realizar-se para a próxima Primavera e Verão, atacando os anglo americanos por terra, mar e ar com tôdas as fórças de que disposerem.

(Conclui na 4.ª pág.)


A Comarca da Sertã


 

Piros Mandos é E.

ARMAZÉM DE
MERCEARIAS

26, Rua dos Bacalhoeiros, 28

: TELEFONE 20666

LISBOA

us

LARGO

Mercearia Costa

Especialidade em
carnes e azeites da
Sertã e outros gé-
neros de mercearia

RUA DOS CAVALEIROS, 6
LISBOA

; ARA abri

António Rodrigues

com
OFICINA DE
SERRALRERIA

Encarrega-se, em especial, de tódas as fer- 1

ragens pertencentes ao artigo de vassoúreiro
Calçada Agostinho Carvalho, 23
LISBOA

NOVA SAPATARIA

BRASILE

— DE —
). Lourenço

CALÇADO FINO E SÓLIDO
PREÇOS MÓDICOS

208, R. DA MADALENA, 212
LISBOA

Isidro Ferreira
Carnes e Azeites da Sertã

md p Calis o

Rua das Taipas, 37

Telefone 25488
LISBOA.

 

Lotes Especiais | Rs
“2 56, 1.º, Rua de Santa Justa, 38

Ma vel Parto |
Nunes: & €

IMPORTADORES
D-E-=TABA-ECO:S
E PAPÉIS DE FUMAR

Impor tação e da
COMPANHIA CHARUTOS DANNEMANN
S. Félix — Bahia ‘

= Representante no Porto:.
– MANUEL MACEIRA EM Cla
Rua Infante D. Henrique, 77

e [ca DE

LISBOA

O REI DAS MEIAS

+ ag 6 den

BAFAEE

ugénio Far nha, o

LISBOA

Ni pe

A. Lopês |
& Oliveira |

++
MRCEARIAS, SABÕES,
“CAFÉS MOÍDOS EM
LATAS DE 5 QUILOS,
LOTES ESPECIAIS

tdo

TELEFONE 24845

LISBOA

“5, Rua dos Bacalhogiros, 57 6 59 |

Manuel Nunes Grilo

Proprietário da acreditada marca

CASE tYaRZan

ARMAZÉM DE VÍVERES
Importação e Exportação Directa

1 Ma os Cotia, O O Logo da Aranha, O
TELEFONE 22065

LISBOA

É 7 da
Casa Macau, LT.
rem
MERCEARIAS FINAS
Especialidade em Chá e Café
++
PRA ÇA DO BRASIL, 14
Telefone 6 0245
LISBOA

RE

António Ferreira
CC EMPREITEIRO
Encarrega-se de

todos os trabalhos
– de construção civil

Rúa Luciano Cordeiro, 96, r/c. Esq.
TELEFONE 42495

LISBOA

DROGARIA ORIENTAL
Fundada por Francisco Simões em Es
= DE =

Viúva Simões & Teixeira, Lp

Armazém de Drogas e Produtos fiiiiicds

TINTAS E VERNIZES / PERFUMARIAS –

— TELEFONE 2 5758.
236, Rua dos Fanqueiros, 238
LISBOA

NE ia

– OPTIMO SERVIÇO DE BAR

CAFÉ

LISBOA.

Avenida da Liberdade, 145 à [ra
Plefone 26095
é
ALMOÇOS
JANTARES


A Comarca da Sertã


Maldição

Pela encosta da serra vai subindo
Um velhinho curvado tristemente
Sob o pêso dos anos e subindo

Arqueja já consado, docemente.

E pela serra acima vai carpindo

Sua dor, a tortura negra, ingente

Da vida lamentando, proferindo
Queixas que ninguém ouve, ninguém sente.

E eu, vendo ésse velhinho solitário,
Já no cume da serra, um calvário,
Onde éle quási chega tão cansado,

Eu, do vento maldigo a fúria insana,
Má, ate fustiga o velho e o abana,
Tal como a um farrapo abandonado.

EDUARDO GARRIDO

************

Tribunal Judicial

JULGAMENTOS

Acusados pelo Ministério Público, responderam:
—Em 14: de Janeiro, Emilia de Jesus, de 28 anos, filha de Manuel Freire e de Adelaide de Jesus, e Carolina Martins, de 23 anos, criada de servir, filha de José Martins de Maria Amélia, ambas solteiras, residentes na freguesia do Castelo, pôr, no dia 12 de Julho do ano findo, no lugar dos Faleiros, terem agredido voluntária e corporalmente, com uma pedra e um guarda-chuva, Antônio Coelho, casado, jornaleiro, da freguesia do Castelo, causando-lhe ferimentos que produziram 8 dias de doença e impossibilidade de trabalho. Não se provou que a Carolina tivesse provocado qualquer ferimento ao queixoso e, por isso, foi absolvida. Provou-se que a Emília arremessou uma pedra contra êle, atingindo-o. Foi condenada na pena de 20 dias de prisão correccional e 5 dias de multa à razão de 2$00 por dia, prisão substituida por multa a 10$oo por dia, no valor total de 210$00, com o respectivo adicional, no minimo de imposto de justiça, com encargos legais, 100$oo de indemnização ao queixoso e 50$00 de emolumentos para 0 sr. advogado oficioso.

Em 13 de Janeiro, José Ribeiro ou José Serra, casado, agricultor, do lugar da Amoreira, freguesia de Proença-a-Nova, por, no dia 24 de Abril último, terem sido encontradas duas cabras, que se dizia pertencerem-lhe, na propriedade de Francisco Martins Crujeira), no lugar do Serrinho, limites da Crujeira, onde causaram prejuizos na vinha. Não se tendo provado a transgressão, pois não se provou que o arguido fôsse dono de qualquer cabeça de gado, foi absolvido.

_Em 18 de Janeiro, Firmino Martina, solteiro, proprietário, do Casal da Estrada, freguesia da Sertã, por, no dia 21 de Setembro doano findo, no Vale da Vinha, ter ofendido voluntária e corporalmente, com um pau, Manoel Fernandes da Silva, casado, proprietário, da Sertã, causando lhe ferimentos que produziram 8 dias de doença a impossibilidade do trabalho. Absolvido.

Em 18 de Janeiro, José Ribeiro, o Tremoceiro, casado, proprietário, de 6I anos, da Várzea Lameira, freguesia do Cabeçudo, por, no dia 3 de Abril do ano findo, pelas 23 horas, ter destruído, voluntariamente, à pedrada, parte do telhado onde vive Margarida de Jesus, viúva, sita no lugar da Arrifana, da mesma freguesia, causando-lhe um prejuizo no valor de 105$00 e de no dia 23 do mês seguinte, cêrca das 24 horas, e no referido lugar, haver ofendido voluntária corporalmente, José Martins, casado, proprietário, da Arrifana, cansando-lhe ferimentos que produziram 6 dias de doença, com impossibilidade de trabalho nos dois primeiros. E também acusado de haver arrombado e danificado, no dia imediato, de manhã, duas portas e uma janela da mencionada da casa e destruir, parcialmente, um forno, nas dependências daquela casa, do que resultou um prejuizo avaliado em 90$00. Ainda aquêle José Martins é acusado de, no dia 23 de Maio do ano findo, quando foi agredido pelo primeiro arguido, tê-lo igualmente agredido, voluntária e corporalmente, produzindo-lhe ferimentos que originaram 6 dias de doença, com impossibilidade de trabalho nos dois primeiros. O José Martins foi absolvido e o José Ribeiro condenado na pena de 15 dias de prisão correccional, não convertida em multa por causa da sucessão de crimes, e 3 dias multa à razão de 5$00 por dia com o respectivo adicional, no minimo de imposto de justiça com os encargos legais 90$00 de indemnização à queixosa e 50$00 para o sr. defensor oficioso.

 

MOVIMENTO DE DEZEMBRO

     Distribuição: 2) Inventário de maiores por óbito de Carolina de Jesus, Sarnadas, Marmeleiro; 9)Ação sumária em que são autores José Martins Barata e mulher, da Sertã, e ré Maria Nazaré de Jesus, Chão da Forca, Sertã; Inventários orfanológicos por obitos de: João Mateus Claro e mulher, Maria Jacinta, Estorneiros, Estreito: 13) Francisco Dias, Picoteira do Monte; S. Pedro do Esteval; José Sequeira, Sarzedinha, Proença-a-Nova; Carolina Antunes, Crujos, Sernache; 16) António dos Santos, Troviscal; Manuel da Costa, Casal do Calvo, Cumiada: 20) Acção de divórcio requerida com o beneficio da assistência judiciária, em que é autora Maria Paula dos Santos, Oleiros, e réu Álvaro Lopes Leal, Madeirã.

**********

 

Todo o bom sertanense amigo da sua terra assina êste jornal.

************

Êste número foi visado pela Comissão de Censura de Castelo Branco.

 

Arboricidas

Sarnadas, Álvaro – Oleiros

     Há tempos apareceram inutilizades e arrancadas 8 oliveiras que tinham sido plantadas numas propriedades que aqui possuem a sr.ª D. Alice Berta Lourenço e sua tia sr.ª D. Beatriz Alves da Silva, residentes em Lisboa, assim como, do mesmo, apareceram inutilizadas e arrancadas muitas videiras e diversas árvores de fruto.

Tal acção verdadeiramente revoltante porque representa uma violência, denotando, também, a evidente falta de caracter e sentimentos de quem a praticou, é censurada aqui por tôda  a gente e é atribuída a Francisco Alves da Silva, residente nesta localidade, instigado por sei irmão Antônio Alves, ferrador, residente em Lisboa, o qual, numa atitude absolutamente indecorosa, ainda faz jactância do seu acto repugnante.

Estas criaturas, cujos antecedentes muito deixam a desejar, aqui têm praticado últimamente outros desacatos, abusos e atê ataques a propriedades, acções que merecem a mais veemente repulsa, censura e o mais severo e exemplar castigo.

**********

“A Beira Baixa”

Por falecimento do sr. António Rodrigues Cardoso, encontra-se suspensa a publicação do nosso prezado colega «A Beira Baixa», da sede do distrito.

      Aquêle semanário recomeça publicar-se, dentro em. breve, sob a direcção do sr. dr. Vergilio Godinho, advogado em Castelo Branco, que não é um inexperiente na matéria, pois que, além de prestar valiosa colaboração em diversos periódicos, deu provas do seu grande valor, como jornalista, quando, na Sertã, dirigiu o «Correio da Beira», a melhor fôlha que existi até hoje nesta região, isto sem desprimor para ninguém. Além disso, Vergílio Godinho é um escritor primoroso e altamente apreciado; o seu romance «Calcanhar do Mundo» obteve o prémio da Academia e alguém, com tôda a autoridade, afirmou ser um dos melhores publicados em Portugal nos último ano.

     Por tôdas estas razões, «A Beira Baixa» passa a ser um jornal moderno, debatendo os problemas do momento com a concisão e clareza que se impõem e no belo estilo literário peculiar a Vergílio Godinho.

     Sabemos que lhe vai ser dada uma nova orientação, mais útil e conveniente sob todos 0s aspectos, aproximando-se, tanto quanto possível, das terras e povos da província, integrando-se, em absoluto, nas aspirações da sua gente, morigerada, activa e pondonorosa, que tem no mais alto aprêço as conquistas do Progresso e o bem-estar da Pátria.

     Auscultá-la, compreendé-la e lutar pelos seus direitos e ideais competente, acima de tudo, àquêles sôbre quem recaia pesada missão de dirigir e orientar à sua Imprensa regionalista.

«A Beira Baisa» e o seu futuro director podem contar, sempre, com a nossa lialdade e valimento, bem fraco, por sinal, exactamente como nós, disso estamos certos, poderemos contar com o Seu valioso auxilio, lutando, de mãos dadas, pelo engrandecimento regional.

**********
NECROLOGIA

FALECERAM :

     No Pórto, em 22 de Fevereiro, a sr.ª D. Maria Guilhermina Erhardt Vieira, de 87 anos de idade, viúva, irmã do nosso amigo sr. dr. José Carlos Erhardt desta vila e tia das sr.ª D. Arminda, D. Emilia Erhardt e do sr.º Guilherme Erhardt.

Em Lisboa, no Hospital de S. José em 19 de Fevereiro, onde dias antes dera entrada, ido da sua terra natal, afim de procurar alivio para os seus sofrimentos, em consequência de gases tóxicos contraidos na Grande Guerra, o sr.º José Martins, 2º sargento inválido, de 49 anos de idade, do Vale da Mua, freguesia do Peral e residente na Ladeira do Ródão, casado com a sr.ª D. Teresa Pires Fernandes Martins, pai do sr. Manuel Martins Pires, aluno finalista do Instituto dos Pupilos do Exercito e da menina Maria Martins Pires, aluna da Escola Rodrigues Sampaio.

Era um amigo disvelado de sua família que tanto estremecia, deixando profundas saúdades a todos quantos com êle privaram. Amigo do seu amigo, tanto na procela como da bonança, muitos dêles se deslocaram à capital para o acampanhar à sua última morada -no Talhão dos Combatentes no cemitério do Alto de João…         Paz à sua alma.— E.)
_As famílias enlutadas apresentamos as nossas sentidas condolências.

***********

Encontrado morto

Reportando-nos à notícia publicada no «Diário de Noticias» de 30 de Janeiro e, muito mais, as insistentes afirmações que ouvimos de todos os lados, que, à força de se repetirem, parecia não oferecerem dúvidas, dissemos, no n.º S7&, ter sido levado para o Necrotério, em Lisboa. um cadáver desconhecido, – descobrindo-se, depois, pelas impressões digitais, tratar-se de José Aparício, de Vila de Rei.

Supôs-se ser a pessoa do mesmo nome que foi chefe da Secretaria da Câmara de Vila de Rei, mas, afinal, não era. Ainda bem. E que há mais Marias na terra…

Quem nos esclarece do caso com absoluta verdade, é um nosso amigo de Lisboa, em carta recebida no dia 18 do mês findo:

«Acabo de ler em «A Comarca» a noticia do fim trágico de um José Aparício, de Vila de Rei. Felizmente não é o mesmo a que a noticia tão amplamente se refere. Sem demora, ao ler o laconismo do facto no «Diário de Noticias de 30 de Janeiro, fui—por espírito de amizade ao próprio e aos seus – ao Necrotério para, talvez, levar-lhe o último tributo dessa amizade bem desinteressada. Venci dificuldades; voltei mais tarde e consegui autorização por estrito para ver à cadáver.

Espectáculo bem triste e único na minha vida: andar por meio de cadáveres!… Felizmente, nenhum em vida era meu conhecido e menos ainda, se é possível, o de José Aparício. Tal facto participei-o muito gostosamente, por telegrama, a sua Exma Mãe.

José Aparício -êsse moço que, mesmo antes dos 20 anos, desempenhou funções elevadas na sua terra e tantas vezes foi de encontro às grandes fatalidades- vive!…»

**********

BANDO PRECATÓRIO a favor do Hospital

     Por iniciativa de Pedro de Oliveira, posta em execução por D. Maria do Céu Branco Vaz, houve, na 3ª feira de Carnaval, um bando precatórios favor do nosso Hospital.

Algumas meninas da possa primeira sociedade desempenharem-se do louvável papel que lhes foi confiado: enquanto umas seguravam a colcha de seda, seguindo à frente um grupo musical que executava bonitas marchas, outras dirigiam-se, solicitando òbulos, aos transeuntes e às pessoas que viam pelas janelas. Percorreram-se tôdas as ruas da vila perante os olhares de aprovação tôda a gente.

Recolheram-se donativos no valor total de 955$05 e dois vegéssimos da lotaria daquela semana com o n.º 5.663, êstes entregues por João Januário Leitão, latoeiro desta vila.

O Carnaval teve, na Sertã, esta nota altamente simpatica de se conjugarem algumas vontades em prol dos que sofrem.

**********

Doentes

     Já bastantes dias que se encontra no leito, por virtude de um forte ataque de «gripe», o nosso amigo Rev. P.º José Baptista, cujas melhoras muito desejamos.
– Seguiu para Lisboa afim de ser operado a uma hérnia, o nosso amigo Joaquim Ferreira Monteiro, informador fiscal neste concelho. Que obtenha o melhor resultado na operação é o que sinceramente desejamos.

***********

Novas plantações de vinha

     Vão ser permitidas novas plantações de vinha e entre as regiões beneficiadas está incluída parte das Beiras, «com possibilidade de refazer os povoamentos perdidos e de orientar o complexo das explorações agrícolas à luz do seu melhor interêsse».

São permitidas novas plantações em ramadas, bardos ou enforcados, nas bordaduras dos campos: das regiões em que têm sido cultivados produtores directos: daquelas em que é tradicional a cultura da vinha, pela forma acima indicada; na bordadura de outras terras intensamente explaradas com culturas herbáceas ou pomareiras; nos terrenos especialmente apropriados para a produção de vinhos de qualidade; nos terrenos situados em zonas aptas para a cultura da vinha pelas suas condições agro-climáticas e em que se verifique uma ou outra das circunstâncias seguintes: terrenos assoreados ou em que a vinha seja conveniente como eiemento fixador das terras sujeitas a crosão; nos terrenos em que outras culturas não tenham possibilidades económicas de exploração devido a inundações frequentes.

 


A Comarca da Sertã


 

Notas…
…a lápis

(Conclusão da 1.ª pág.)

     Citou, ainda, as relações entre os Estados Unidos, Inglaterra e a Rússia, como de absoluto entendimento, afirmando que «do terreno conquistado em Teerão nada se perdera» e quanto à Polônia  tanto a Inglaterra como a Rússia aspiraram o vê-la independente e poderosa, prometendo-lhe explicitamente compensações territoriais à custa da Alemanha.

     Temos a impressão de que a Inglaterra, quanto a este ponto, não mede devidamente os possíveis obstaculos futuros entre alemães e polacos como consequência duma anexação forçada de território, tratando, simplesmente, por agora, de remover embaraços entre os Nações Unidas.

     O orador aludiu ao importante auxilio, para os Aliados, das aguerridas forças do marechal Tito da Jugoslávia, frizando ser muito possível que a guerra não termine êste ano, pois que a Alemanha dispõe ainda duma força militar assás valiosa, servida por uma coesão moral que não pode ser relegada para segundo plano. Nesta ordem de ideias, advertiu a Inglaterra e os seus aliados que um dos maiores perigos está num optimismo prematuro injustificado que os leve a abrandar o seu erforço, comprometendo, assim no momento decisivo, o resultado final da luta.

     Churchill, sem palavras de dito contra os inimigos da sua pátria, apresenta os factos com admirável visão realista.

***********

     Um assunto que deve merecer a maior atenção do Município é a construção imediata de urinóis e retretes dentro da vila, evitando-se que vergonha de muitos satisfazerem das suas necessidades fisiológicas na própria via publica, como, entre muitas outras, sucede na rua do Soalheiro, uma das de maior  movimento por dar acesso aos Paços do Concelho.

     Há gente sem educação e sem escrúpulos, para quem qualquer local serve, mas não se pode por termo a tais abusos sem se criarem condições de os evitar.

**********

     O NOSSO amigo Reinaldo Custa veio ai de fugida pelo Carnaval. Ao regressar a Lisboa, teve de esperar cinco longas horas, de noite no Entroncamento, pelo comboio; extenuado, adormeceu num dos bancos da estação e quando acordou estava enregelado, tendo de ser conduzido, a braços, para o comboio e chegando à  capaital tomou um taxi para casa. Foi ainda preciso que o auxiliassem a subir as escadas porque o frio intenso causara lhe a inacção absoluta das pernas.

************

     QUANDO do peditório a favor do hospital da Sertã, na 3.ª feira de Entrudo, houve, infelizmente, mais duma nota discordante. Já nos não queremos referir aquêle grande comerciante, que, de tão pequeno e miseravel, lançou no cestinho de uma das meninas uns reles vinténs, mas aquêles outros que se permitiram insultar quem a eles se dirigiu, confiando na obtenção de donativos rozoáveis, atendendo á situação financeira dos bonifrates. Os tostões dados de tão má vontade e com arreganho podiam ser atirados à cara das azémolas, mas as meninas, que os receberam, mostrondo-se educadas e indiferentes à maldade, preferiram aceita-los porque sabiam que o dinheiro não lhes escaldaria as mãos  inocentes… era para o hospital!

     Em contraste com tais atitudes, que enojam e repugnam, está a pobre chefe de família que se desfez de dois vegéssimos da lotaria, que um acaso feliz podia ter premindo com a sorte grande.

**********

GRÉMIO DA LAVOURA

Na sua reunião de 26 de Fevereiro, o Conselho Geral aprovou, por unanimidade, o relatório e contas referentes ao ano de 1943.

**********

Instrução

Fôram providos nas escolas que se passam a indicar as seguintes professoras: D, Maria Irene de Ascenção, na de lsna, Oleiros; D. Luísa Pinto Soares, na de Madeirã, Oleiros; D. Maria Cândida Saraiva, na de Monteiro, Oleiros; D. Maria Luísa da Silva, na de Corgas, Proença-a-Nova; 1), Maria Rosa da Silva, na de Cunqueiros, Proença-a-Nova.

 

A actividade da Câmara Municipal
da Sertã em 1943

(CONCLUSÃO da 1.ª PÁGINA)

um pontão que ameaça ruína; agora, uma fonte, logo, um edifício, que carecem de grandes reparações, a seguir, o fornecimento de mobiliário ou utensilagem própria para vários serviços. Hoje, é o burguês insofrido que não pode conceber que haja obras camarárias que lhe dificultem durante dias continuados o acesso ao lar à  propriedade privada: amanhã é o proprietário inconsolável que viu as suas serventias perturbadas pela tormenta e quere à viva fôrça que se vá sem demora abrir o caminho para chegar sua fazenda; no outro dia éa  povoação, que reclama um chafariz, uma escola um posto ou o mobiliário para os fazer funcionar, é a Junta de Freguesia a queixar-se de que se lhe não concede tudo quanto requisita e precisa.

Enfim, um verdadeiro rosário de pretensões que seria interessante atender se para o seu deferimento não fôsse necessário ir remexer todos os recantos exaustos do Cofre Municipal.

Agora, porém, que todos conhecem a realidade em tôda a sua nudez, pede-se aos reclamantes que, enquando durar o actual estado de cousas, ao formularem as suas requisições indiquem ao mesmo tempo quais as verbas que entendam deverem ser reduzidas para se poder satisfazer as suas legítimas pretensões.

A Câmara tem a consciência de ter administrado os dinheiros municipais com economia. Há quem a censure por conceder ao seu funcionalismo o Abôno de Família e agora o aumento de 20 por cento permitido pelo Decreto n.º 33.272, de 24 de Novembro último.

Na verdade, as condições financeiras do Municí­pio não permitem liberalidades mas quem há ai que não sinta a necessidade de atenuar, um pouco, as dificeis condições de vida que afectam todo o médio e baixo funcionalismo português, é por maioria dé razão 0 PrgeiErias lismo dos pequenos sl

Os meus multiplos e incessântes alazeres’

oficiais dos últimos dias não me permitem fa-
zer um relatório mais cuidado, tas O que aca-
bo de ler, creio, é o bastante para levar ao. es-
pírito déste ilustre Conselho 2 convicção de
que a-Lâmara tem-agido, na conjuntura dificil
que 0 Mundo atravessa, o melhor que pode,
deniro das possibilidades ircamentais,

Se assim também o entenderdes, peço a
Vossa uprovação
eme discussão,

pára q Relatório que penho

€ Eee da Eat

permitido peto De-

satisfazer HS Suas legítimas pretenades,

,

 

CARLOS MARDINS

 

eiada da Comarca

MADEIRA, 15-Jl;
OS LOBOS

Por diversas vozes têm Apa
recido alguns lobos as quais
têm teito caçada, pois os pastos
res: deste época já não-espera-
vam por iais. visitas.

Algumas das feras mai3 mui
tridas já passearanr pelas ruas
desta localidade levando algims
coesa

PIC de MILHO
COLONIAL

As quinze horas de Domin-
vo, chégou ao alto do Wal Ter-
reiro, uma cantionete com mais
de três mil quilos de milho co-
lontal, o qual Fm distribuido
pelas pessoas mais necessitadas
desta freguesia,

Procedeu à– distribuição o
sr. Augusto Fernandes, membro
da Comissão Reguladora déste
concelho =…

DRE rr:

OLEIROS, Eli:

pe lã um ano pára ci nesta
vila teto havido grande movi-
mento de coadores, Tódas as
casas aparecem brancas de um
para outro dia,

Lembra-nos as vésperas de
uma erande festa, em que sé
pinta, lava, escova tudo, para
hem parecer.

Mas, Oleiros não espe tes-
ta de grande vulto e no entanto
continua a alindar-se,

Porquê?

As autoridades a quem pre-
sentemente estão enlreguesos
seus designios, Enienderam mui-
to bem, que pura a delicidade
do seu povo ser comple’a é in-
dispensável que a boa higiene
impere, que a boa aparência vin-
sue no espírito de todos, à ne-
cessidade do asseio, da limpesa

“e dy boa harmonia

Oleiros está rejuvenescendo,
é a escura vila de ontem pare-
ce-nos hoje um povoado jáveim,

em formação, til pleno! desen-
volvimento,
iMas, onde começa a vila?
iCinde é a ironteira que a
limita, do chathado «termos P
Há pequeninos mada que de-
ver ser separadas?
A nossa vila começa no hos-
pital, deve Começar na capela

-de Senta Margarida, colneçara

na antiga fonte do «Chafariz» e
acaba no <urril.

Dentro déstes limites não
deve haver a mesma obridação
de calar as Casas, 08 muros &
manter o asseic exigido?

Se assim não fár, a obra fl-
card incompleta,

Quando nos aproximamos de
uma aldela, vila ou cldade, a
primuira impressão que dela te-
mos, acompanha-nos até ao
Em.

Assim, podemos afirmar que
o bom cu mau conceito nasce
com as primeiras impressões e
permanecerá.

ildue importa a vila limpa
nas ruas, se lodo à entrada nos
mostra um montão de imundi-
cler :

: Esra o visitante a entrada é
desoladora.

“Quando. pela primeira vez,
alguém nos visita, que ideia ia-
rá da. nossa ferra; ao depatar-
se coma desordem, talta de
limpeza, ascorosa aparência que
tudo mostra, propriamente, as
casas e Os muros que crlam a
estruda-até-ã Devezgr

k” carvão, carroças, estrt-
mes, lenhes, enfim, um nunca
acabar de despejos.

Se nas tuas da vila não é
permitida a permanência daquê-
tes coparatõe» não O deve ser
também ma estrado, principal
entrada da terra. Ã

Eram contrangedoras, as cot-
siderações que um viandante,
há dias, fez à—entrada da vila
de CHeiros:

Evitêmo-las, pois.

E” preciso pôr termo & estas
coisas, que nos colocam mul.

Efeméridss
epa a RR Sort

IsTI—:

gusto de Portugal Durão, qué
nas colónias presto relevantes
serviços ao Pais.

Ea == tm

Melhoramentos
Rurais

No plano dos Melhoramen-
tos Tlyrais para 1944 estão in-
cluídos. os seguintes a realizar
na NOSSA região:

Cuncelho de Oleiros A Diaha
cimento de água a Pisória (o
lases, Adgiraldo (fase únicã:-e
a povoação do Roqueiro (DB? fá-
se-conclusão)”

Concelho de Proença-a- Ngtá
— Construção de um E. Vode
ligação da E. NX 4 1º coma

povoação de Atalaias (2º fude –

pavimentação! ; abastecimento
de água às povoações dz Per-

“gulho Cineiro,Pergulho do Meio

e Murteira (fase única): Senimo-
gão (2.º fase); Póvoa (L.: fases
Estevez jfase única); Pedre do
altar (fase única) constra ão de
um Cc; F de Maxiais à Sobral
Fernando (2*- fase terráplana-
gens,

Concelho de Sertã— Mpaste-
cimento de: Agua às povoações
da Nutes e Vale Godinha (5.º
fase-lavadouro).

Concelho de Vila de Rei-cA-
bastecimento de água à paovoa-
ção de Sesmarias (2.º fase).

arrrete leer E

A GRIPE.

vo Ar «pnper tomou; Ha ara,
como noutras partes, évidente-
mete, em consequência doa frio

“Intensíssimo, carácter epidémi-

CO, havendo. “muitas dezenas de
pessoas de cama e, nalgumas
vásas, familias inteiras.

Todos os cuidados são. o pau
cos para fugir acela é um dos
principais, de-certo, é “evitar
qualquer resfriamento.

Hã quem encontre na Fija
preventivo radical para comba-
ter “um malque ver tomando
proporções terríveis. E talvez
não deixe de ter ds suas razões.

1 ur ja

Alteração do Tempo

No Domingo principiou, fi-

nalmente, a chover, uma chuva
miúda, mas constante, que gran-
des beneficios vem prestar Ã
agricuhtura.
Dq Ri feira névou bastante
e por mais duma vez caiu dra-
nizo. OQ Picoto Raínho ea ser
ra do Figueiredo, cobertos dum
manto alvissimo de neve, apre;
sentavam «m lindo aszecto..

A temperatura mantém-se
muito baixa, Eu

 

 

 

– Oleiros; parece » estar noiva.
Não maculêmos O set ‘trajo
branco, e Deus queira que a
alvura das. Slas. casas, seja O
clarão de uma aurora que des.
ponta, de progresso, mensagei-
ra de um fLturo próspero, de
paz; de engrandecimento, —L,

“Móveis.
“Mesa elástica, secretária, gran
de espelho biseauté, estarites para

“livros & fopão ‘de cozinha, em bom

estado, vêndem-se:
Nesta Eres E informa.

PI RPA

Lodo e orapagi “A RE
da Sertão.

Nasce na Senão
capitão-tenente sr, Albano Au-

“E

«pi«pi